O infinito sem memória.


Analiso a maneira como o ser humano age e concluo, singelamente, que nosso movimento é tal qual a expansão dos vírus e dos vermes, que se alastram até destruir seu hospedeiro.
Nada de compaixão, nem piedade, então, não sei de onde surgiram estas palavras tão distantes do humano.
Compreender nossa natureza é fundamental para modificá-la, se é que isto é possível. Como posso pedir a uma árvore que não de frutos? ou ao mar que detenha seu movimento.
Como posso pedir ao humano que seja menos devastador, explorador, cruel, obsceno, e, que converta sua natureza em prol de si mesmo e conviva pacificamente com seu hospedeiro, a terra.
Alimentamos-nos de nosso hospedeiro e o adoecemos e ao final estaremos todos mortos e o infinito sem memória.

Comentários

  1. O final é inelutável... sempre o mesmo!
    Mas até lá há muito sorriso para nos alegrar!

    ResponderExcluir
  2. Elizabeth,que texto forte,mas infelizmente é real!O ser humano muitas vezes torna-se dificil de entender!Bjs,

    ResponderExcluir
  3. Olá,Elizabeth!

    É bem verdade, mas não podemos generaliza, sempre haverá que acredite e lute pelo bem.
    Beijos
    Obrigada pela visita!
    Seja bem-vinda!

    ResponderExcluir
  4. Em essência,o ser humano é isso.
    Lamentável,mas...!
    Parabéns pelo texto!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Paradigma Funcionalista Pragmático - Escola de Chicago

Emprego e política

Teorias das Influências Seletivas