sexta-feira, 12 de outubro de 2012

FOFOCA




Uai! Lá vem Sofia, filha de Manoel das Cruzes, e Ambrósio, filho de um grande amigo meu, Venâncio, aquele que mora lá pras bandas do Rio do Peixe.
Epa!! De onde estão vindo estes dois, desconjuro! Cruz Credo! De pensar que seus pais não se bicam. Venâncio é uma boa pessoa, mas quando pisam no seu calo, sai de baixo, vira bicho, só vendo, Agora o Manoel das Cruzes, tá  pra nascer cabra tão ruim.
            Mas vamos deixar disto que vosmicês é capaz de pensar que sou fofoqueiro, num sabe que fofoca a gente aqui de Pilar de Goiás não faz não, o máximo é um “comentariozinho sem maldade.” Temos até uma história que apresenta bem esta cidade.
            Tudo aconteceu quando foram contar para Cida, Filha de Tiquinha, que viram ela e o Bastião Gudinho  lá pras bandas do morro do suspiro, que tem este nome... Bão, deixa pra lá.
            Cida ficou uma fera, quando tomou conhecimento, atravessadamente, por meio de Benedita, do que estavam falando dela na cidade. Nessa hora ela rodou a baiana e gritou para quem quisesse ouvir que não iria descansar enquanto não estourasse a cara do desavergonhado, que havia começado aquele falatório.
Dona Tiquinha resolveu acompanhar a filha, afinal era o nome da família que estava em jogo, e perguntaram para Benedita quem havia dito tamanha infâmia.  Após uma longa pausa enquanto ajeitava a saia, alisava os cabelos. Bendita parecia querer ganhar tempo, quando de repente soltou a queima roupa:
- Foi Tuta, e sorriu por dentro ao imaginar como tudo aquilo ia terminar. Isto porque Tuta e Benedita não se davam e lá se foram as três marchando pra casa de Tuta, que avisada pelos moleques da rua, não aguentou  e na porta esperava quando as três chegaram.
- Vieram me contar que tu andaste espalhando coisa de mim por aí! Foi logo falando Cida,  antes mesmo de se achegar direito. Tuta, que já sabia de tudo, não se abalou.
- Pois é, né Cida, negar eu não nego, mas quem me contou esta estória foi o Bola, peraí, não , foi não, foi Xocha mulher de Cu-Seco.
            E lá se foram as quatro, pisando duro, para a casa de Xocha. Foram chegando e entrando, pois afinal, ninguém  ali era dado a cerimônia, quem não era parente de sangue, tinha algum cunhado, genro, coisa que o vale, na família.
Encontraram Xocha tirando água da cisterna, que com o susto deixou o balde cair, como não estavam interessadas no balde, Cida mais que depressa repetiu a mesma pergunta e obteve a seguinte resposta:
- Não sabe Cida, que este povo tem uma língua muito grande – falava e olhava para Tuta – Verdade que eu disse mesmo, mas quem me disse foi Careca.
E lá se foram todos para casa de Careca, que para infelicidade geral do dia na estava em casa, depois de explicarem para a mulher de Careca,  molharem a garganta com água e café, o bolinho de arroz não aceitaram não, afinal estavam com pressa. Seguiram todos para a roça, até mesmo a mulher de Careca que não era boa das pernas e os dois filhos. Da cerca mesmo, Cida animada pela platéia gritou:
- Vem cá Careca, que tu precisa me explicar umas coisinhas  - nesta hora não só veio Careca como todos  os peões,  que aproveitaram o barulho para enrolar o serviço.
- Fiquei sabendo que tu andou espalhando coisa de mim e Bastião Gudinho ...  antes dela terminar Careca avançou no palavreado.
- Olha Cida, tu deve saber que num sou hôme de fofoca. Nesta hora a roda cacarejou e um reboliço assanhou o mulherio.
 – Nem tempo  tenho, mas como ia te falar, eu arrazoei sem maldade, mas quem me contou foi o velho Lixande – e  lá se foram, com os peões atrás, a comitiva, e por onde passavam arrastavam mais gente, quando finalmente chegaram à casa de Lixande, que morava a meia légua afastado da cidade. Cida já  com os pés doendo e sem  muito convicção na voz repetiu a pergunta.
            Bobo o velho Lixande não era, se fez de desentendido pensou um pouco, manteve o suspense enquanto pode, cuspiu no chão diante do olhar de todos e por fim ponderou.
- Bão, vocês todos aqui me conhecem, eu falei, num sabe Maria Aparecida, mas quem me contou tudo TIM TIM por TIM TIM foi o Luizinho, irmão de Itamar, filho do Zé.
O espanto foi geral, pois afinal, Luizinho mora lá onde Judas perdeu a meia, pois a bota ele perdeu bem antes, foi então que se começou uma acalorada discussão sobre como fazer, onde arrumar o dinheiro para ir até lá,  teve gente que sugeriu uma rifa, tipo aquelas de dias de reis, outros ainda mais festeiros, sugeriram uma grande festa, com churrasco, sanfoneiro, rojão e o povo dava gritos de aprovação, mas aí havia  um problema, tinha que ir alguém com Cida, para trazer a noticia em primeira mão, todos os detalhes, o tom de voz, frase por frase... mas quem, se todos queriam ir e ninguém abria mão disto.
De repente Cida sem anunciar nem nada olha para todos e diz.
-  Num quero mas sabê. E partiu deixando atrás de si uma gente decepcionada.
 Enquanto ela caminhava para casa alguém sugeriu, por que não tomar umas pingas no botequim do Dito e quem sabe mais tarde poderia até sair um arrasta pé. Os que não haviam participado da marcha vinham chegando e cada novo participante a história crescia e as gargalhadas aumentavam, quando o assunto já estava quase fenecendo e o sol nascendo levanta  Sandoca com a cara já cheia e voz própria dos embebedados e grita pro povo.
- Também,  o povo de Pilar não pode ver uma coisa, quatro ou cinco vezes que já sai comentando!!!! – e a gargalhada foi geral, nesse momento em algum lugar a orelha de alguém coçou.