sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Sou mulher, assim posso fritar peixe para meu marido, enquanto escrevo.

Sou mulher, assim posso fritar peixe para meu marido, enquanto escrevo.

Relembro minha mãe que sempre dizia "Não confio em mulher". Para ela e toda a humanidade foram os homens que sempre fizeram tudo.

Só gostaria de saber como "eles" fariam se tivessem que fritar peixe enquanto criavam, inventavam e descobriam coisas.

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

OS MOVIMENTOS DO AMOR

No livro O Banquete, de Platão, diversas figuras da sociedade ateniense estão reunidas discutindo a natureza, o sentido e as implicações do amor. Elas fazem várias descrições de amor, todas unilaterais, embora não falsas. Uma das pessoas disse que o amor nos faz adotar atitudes nobres para sermos merecedores do amado. Outra afirmou que o amor é uma espécie de frenesi e loucura, e outros, como Aristófanes, classificou-no como a busca da nossa outra metade.




Segundo Platão, Aristófanes disse que todas as pessoas têm corpos duplos e dupla face. Haveria três tipos de humanos no mundo. Na figura homem/homem, o corpo todo era formado por figuras masculinas. Um outro tipo seria composto por elementos femininos, e por último haveria o masculino/feminino.



Uma figura andrógina, com uma metade feminina e outra masculina. Trata-se, na verdade, de uma fábula, um mito encantador, destinado a revelar um ponto muito profundo. Segundo Aristófanes, esses seres duplos cometeram transgressões contra os deuses; como castigo, foram divididos ao meio. Sob essa perspectiva, o amor é literalmente a busca da outra metade.



Essa fábula tem implicações muito abrangentes em termos da metafísica e da ética de Platão. É um outro modo de afirmar que não somos seres completos, e que os movimentos do amor são uma busca de complemento.

Quando você está apaixonado, é como se o universo estivesse concentrado na outra pessoa. Isso não é necessariamente falso. Platão diz que, em certo sentido, o universo realmente está nessa pessoa. Você só precisa transformar essa dimensão e ver não apenas a pessoa, mas o universo nela.



Amor e beleza estão ligados. Você vê beleza quando está amando. À medida que progride, você sente por todas as formas belas a espécie de exaltação que experimentou quando se apaixonou pela primeira vez. Quando permite que o amor o leve para a frente, você sai do particular em direção ao múltiplo.



Em seguida, você vê que a beleza da mente é mais maravilhosa que a beleza da forma. Platão afirma que você se apaixona pela qualidade da mente de uma pessoa mesmo que sua forma física não seja tão graciosa. Essa é uma progressão do concreto para o imaterial, sob a influência e inspiração do amor.



Para Platão o amor é um princípio cósmico.

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Cada partícula sendo invadida por sensações e impressões do infinito

Os sentidos que possuímos são captadores de sensações.


Visão, audição, olfato, tato, enfim toda e qualquer partícula existente em nós formam um conjunto sistêmico interagindo e descodificando impressões do mundo. Mas não sentimos tudo ao mesmo tempo, pois haveria tantas informações que enlouqueceríamos. Então focamos nossa atenção em um ponto e desfocamos o resto, para que a nossa cognição possa ser capaz de entender os sinais captados.

Não são as coisas que não existem, somos nós que não a priorizamos. Priorizar não significa acrescentar valor ao objeto observado, mas sim captar algo que para o observador naquele momento era o mais importante.

Existem pessoas que são capazes de observar muitos objetos ao mesmo tempo, mas nem sempre são capazes de juntá-los e outras pessoas que diante da imensidão do todo e de tudo que existe no mundo são aptos a abarcar todas as impressões do mundo, onde mente e percepção condensa as informações e quando não é mais capaz de suportá-las ocorre o grande Big Bang. São mentes que precisam falar do mundo.

Cada partícula sendo invadida por sensações e impressões do infinito. Então é preciso ficar bem quieto e deixar que as sensações sejam captadas. É como o obturador da máquina fotográfica, quando existe muita luz o obturador precisa ser mais lento para captar a imagem. O click rápido só capta borrões.

Existem no mundo muitas pessoas captando Borrões e vendendo como uma fotografia boa, real e verdadeira, mas a imagem precisa de tempo e às vezes toda uma vida para ser sintetizada.