Bailarina














Filha minha, bailarina.
Gosto de tangerina
Acesa, quente, vivida lamparina
Ouro da mais profunda mina
No bailar da disciplina
Nunca máquina
Sempre menina
Suave como a neblina
Gueixa de mil mofinas
Alegre faina
Rainha de sua própria sina
Esta é minha filha, bailarina.

Postagens mais visitadas deste blog

Paradigma Funcionalista Pragmático - Escola de Chicago

Entrevista com Muniz Sodré no II Seminário Internacional de Pesquisas em Midiatização e Processos Socias