Jardim D'alma



Olho pela janela de minha alma
Meu coração reverbera
Olho o mar a minha frente
Todos os dias
Todas as horas
Olho as borboletas e as cores intensas do dia
A beleza é uma dádiva de tão avassaladora
Que para ser vivida não precisa ser vista
Mas, se vista todos os dias torna-se o jardim d’alma 




Autora: Elizabeth Venâncio

Postagens mais visitadas deste blog

Paradigma Funcionalista Pragmático - Escola de Chicago

Entrevista com Muniz Sodré no II Seminário Internacional de Pesquisas em Midiatização e Processos Socias