Somente na finitude, os rios suspiram

 

Na rua corre um homem seminu.
Distração dos sentidos.
O som da televisão confunde a poesia.
E a minha vontade, apequena-se, por fim, para que escrever?
Escrevo, pois é grande demais as cousas em mim!

No momento, a cor alaranjada entardece, o imponderável se exibe.
Somente na finitude, os rios suspiram.
A intensidade é tanta, lacrimeja a alma.
Sem saber que espinhos fere a tez!

Sorriu, agarro, apreendo, invado,
Nas ruas de Goiânia,
Cadê Paris? O Infinitésimo da diversidade cultural…

Ousadamente o mundo me espera.
E, transmudado me inspira.

Encho o peito de coragem e grito: Eu quero!

Postagens mais visitadas deste blog

Paradigma Funcionalista Pragmático - Escola de Chicago

Entrevista com Muniz Sodré no II Seminário Internacional de Pesquisas em Midiatização e Processos Socias