IMPONDERÁVEL

Allingham comemora seus 113 anos
Uma noite, um velho de olhar vesgo, de mãos calejadas, sem dentes, com muitas dores, voltou seus olhos para o céu e não compreendeu tantas estrelas abastecendo o vazio. Não se espantou, pois sempre abarcou pouco. Nunca entendeu a barbárie, nem quem a pratica.
A pequenez humana.
A escravidão engrandecida.
Concorrendo e sustentando a estupidez.
Não compreendeu o inalterável.
Nem a cultura que o justifica.
Contradizendo a razão.
Nunca entendeu as pessoas, nem a loucura que as domina.
Esteve sempre só.
Olhava as crianças brincando ao longe.
Nunca foi uma delas.
Anoiteceu cedo.
Seu espírito vibrou em freqüência distinta.
Cheio de aflição pelo imponderável.
A dor da solidão.
Indo e vindo no imaginário dos sonhos.
E agora, desapareceu a linha da espantosa percepção.
O velho sorri.

Postagens mais visitadas deste blog

POESIA: Minha mãe

Avaliação: O acontecimento da Greve Geral

Os sentidos da qualificação de mestrado