Crônica: pedido para gostar de alguém


Tenho um amigo chamado Doni, um dia ele me mandou um pedido no Facebook para gostar de V, fiquei quieta olhando para aquela súplica. Se fosse para eu gostar de uma flor, seria assim, olharia para ela e de forma completamente plena amaria ou detestaria, sem preocupação, sem que fosse preciso dizer palavras. Que fardo enorme o meu amigo me presenteou. Vou então procurar na internet quem era o V, conhecê-lo para depois decidir se era possível gostar dele, mas tudo que estava ali não foi escrito por um amigo meu, não tinham referências, não me causou confiança. Isto me fez refletir: Então, não é possível gostar por gostar de um ser humano? Triste quando o gostar depende de algo, é condicionado. Mas, que posso fazer se para me afeiçoar a alguém eu preciso que antes suas ações falem por ele, como se as pessoas fossem aquilo que elas construíram ao longo da vida, uma trajetória...sinto muito meu amigo Doni, mas faltou você me contar a história de V, dizer de forma mansa e sincera quem era aquele que eu deveria gostar?  Por que gostar dele? Qual a sua forma mais atraente? Sem informações, não sei como gostar ou desgostar.

Elizabeth Venâncio

Postagens mais visitadas deste blog

Paradigma Funcionalista Pragmático - Escola de Chicago

Entrevista com Muniz Sodré no II Seminário Internacional de Pesquisas em Midiatização e Processos Socias