• Onde encontrar?


• O quê?

• A libertação de minha servidão!

• Que servidão?

• A do desejo que balança meus olhos!

• Conhece-se a servidão?

• Sim, mas não como livrar-me dela!

• A resposta não está no desejo, muito menos na servidão!

• Então onde?

• Em você!

• Sou livre para conhecer minha condição de servidão, mas sou escravo por não escolher a liberdade?

• Ao conhecer suas correntes é capaz de julgar se permanece acorrentado!

• O medo e o prazer me detêm! Medo do desconhecido e prazer no experimentado.

• Então já escolheu?

• Minha angústia, minha culpa por ser covarde é tudo que tenho!

• Não só você mais milhões...!

Postagens mais visitadas deste blog

POESIA: Minha mãe

Avaliação: O acontecimento da Greve Geral

Os sentidos da qualificação de mestrado