Sinistra é a velhice!


Sinistra é a velhice!

Por nos permitir ler tantos livros.

Amaldiçoado sejam os livros!

Por esmagar momentos, épocas, séculos...

Funesto é o tempo!

Por nos apequenar diante da vida.

Desvelando tantas mazelas e tantos encantos.

As mesmas mazelas.

Circo e pão em Roma no século I d.C.

Circo e pão em Goiânia no século XXI 

Os mesmos encantos.

O infinito do céu sempre azul.

Quisera ser um coelho!

Talvez um pato, mas humano, aí de mim!   
Aí de mim!
Aí de mim!
Aí de mim!
Aí de mim!
(Autora: Elizabeth Venâncio)
                                                                      




Postagens mais visitadas deste blog

#todoscontraPEC241

POESIA: Minha mãe

Avaliação: O acontecimento da Greve Geral