Os olhos de Deus

Imagino a terra solta no espaço, rodando em torno do sol. Galáxias intermináveis. Buracos negros absolvendo tudo a sua volta, sem nenhum sinal de para onde estão indo todas as coisas engolidas e então alguém diz “Somos insignificantes”.


Que consciência seria capaz de abarcar o infinito, compreender a dimensão do inatingível e mesmo assim seguir a diante, criando, descobrindo, explorando e desejando sempre a imortalidade.

Um ser assim jamais pode ser chamado de insignificante, muito pelo contrário - O humano faz seu significado, atribuindo concretude onde só existe fruição. Tornando-se aquele que dá significado ao todo. Os olhos de Deus.

Postagens mais visitadas deste blog

#todoscontraPEC241

Avaliação: O acontecimento da Greve Geral

Dica de leitura: MORAES, Ângela; SIGNATES, Luiz(ORG.) Cidadania comunicacional: teoria, epistemologia e pesquisa, Goiânia: Gráfica UFG, 2016.